SAÚDE & CIÊNCIA

No Pará, Nísia participa da inauguração de Centro Âncora da Amazônia do Projeto Genomas SUS

09/07/2024
Rafael Nascimento/MS

Em visita a Belém (PA), nesta terça-feira (9), a ministra da Saúde, Nísia Trindade, participou do da cerimônia de descerramento da placa de inauguração do Centro Âncora da Amazônia do Projeto Genomas SUS. O espaço é sediado na Universidade Federal do Pará (UFPA). 

O projeto conta com 8 Centros Âncoras representativos das 5 macrorregiões do país. O Centro Âncora da Amazônia é um ambiente equipado e responsável por mapear o genoma de doenças e populações da Amazônia, compondo a Rede Genomas da Amazônia (Renoma). 

Na Região Norte, a estimativa é de que, no primeiro ano, seja coletado o material biológico para mapear o genoma de doenças socialmente determinadas, que atingem grande parte da população amazônica como hanseníase, malária, doença de chagas e outras. 

“Não tenho dúvida da importância deste trabalho para Sistema Único de Saúde (SUS). Colocamos em prática nossa diretriz de olhar para as desigualdades regionais e enfrentá-las na prática. Isso não é nenhuma benfeitoria. É uma evidência científica até”, destacou a ministra Nísia Trindade. 

Nesta primeira fase do projeto, o Centro Âncora da Amazônia tem a missão de realizar o sequenciamento genético de cinco mil indivíduos de populações humanas urbanas, tradicionais e ribeirinhas dos diferentes estados da Amazônia. 

Também participaram do ato o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação e do Complexo Econômico-Industrial da Saúde, Carlos Gadelha, e a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel. 

Projeto Genoma SUS

O projeto Genoma SUS tem como meta o sequenciamento de 21 mil genomas em 2024. Essa base científica vai permitir o avanço nas pesquisas que servem como base para tratamento e diagnóstico de doenças. 

O Genoma SUS utilizará o Centro Âncora da Amazônia, na Universidade Federal do Pará (UFPA), para atuação no Norte do país. A estrutura está recebendo equipamentos para início das atividades. 

Fonte:Ministério da Saúde